sábado, 25 de janeiro de 2014

Sentido != Vida != Vácuo

Tantos e tantos filósofos se questionam e questionaram sobre o sentido da vida...
(In)felizmente não existe qualquer sentido lógico ou algorítmico para tal facto nem digo que isto seja o sentido da vida mas pelo menos faz parte dela.
Sempre que penso nesta desigualdade a imagem de um homem com um jarro na cabeça em que a água não cai pelo simples facto de fazer vácuo. Vamos pensar neste jarro como sendo um perfeito símbolo feminino: sempre que tento tirar da cabeça o dano é mais que obvio: acabo molhado.
O grandioso problema em volta disto é apenas um: onde encher o jarro de forma natural sem rio, mar ou água canalisada?
Há quem pense que o abanar do pessegueiro das proximidades dá um enchente àgua da chuva de grande qualidade mas está longe de criar vácuo. Outros ainda têm a ideia revolucionária de tentar nas proximidades da estrada nas suas poças de água, é uma droga cara monetariamente e/ou psicologicamente.
Agora achar água de qualidade consumível? Há quem procure mas nem a procura a faz surgir pois os que procuram outras arvores de ramificações desconhecidas das duas uma: ou estão secas ou acabam molhados sem sequer encher o jarro. Uns culpam as condições climatéricas, outros o sol que seca as folhas mas de quem realmente é a culpa? De ninguém apenas não se pode procurar tendo em conta que uma árvore pode nascer em qualquer momento e em qualquer lugar desde que tenha a chuva e terra firme para cultivar.

Sem comentários: