segunda-feira, 27 de junho de 2011

O Armário

Abri a porta do armário
Encontrei um semelhante mundo
Em que o oriundo de tudo
Se deve a um extremo imaginário!

Uns somos camisolas de manga curta
Outros cabides para estúpida pendura
Mas ainda há aqueles que aparentelam
A roupas interioriais do íntimo da altura!

Nas camisolas de manga curta
Há umas que gostam de viver auxiliadas
Perseguidoras constantes de cabides
Sem de sua autoria pouco fazer mais que nada!

Os cabides são os escravos
Fazem tudo mesmo com desagrado
Os seus deveres são obras obrigadas
E consideram-se os mais massacrados.

No íntimo há roupa que gosta de recorrer
Sempre com o desejo de uns segredos guardar
Mas não se esqueçam: nunca a partilhem!
Ai algum dia elas sem querer vos vão desagradar!

Problemas? As suas descartiblidades!
Nuns dias assentam que nem perfeição
Noutros o corpo perde a sua feição
Até o surgir, por vezes obrigada, da:

Procura da querida da novidade…

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Bala

Já passei, por um momento em que a bala me atravessou com morte, com susto, com aflição mas com convicção de deixar a sua marca.
Sim marcou, mas sua ferida estanquei já há anos ou a alguns dias ou será que foram minutos? Até parece aproximar-se de segundos por toda a recentividade permanente na intensidade do espontâneo e exercido tempo!
Mas agora queres dar um tiro? Atira com toda a tua força no gatilho da tua espingarda!


Resultou? Esperavas, mas desta vez previno-me com um colete há prova de imbecis com armações que alcançam as suas postiças dentaduras que preenchem na totalidade as suas preciosas e aparentemente belas... Bocas!

Venham agora as balas de canhão, estou pronto para o depois do vir que vem!

Passarei agora a colocar todas as palavras que estejam por inventar a itálico!

domingo, 19 de junho de 2011

O Fogo de uma flor!

Havia por ali uma senhora flor,
Estimada pela sua diversidade,
A favor da sua clara e encarnada cor
Mostrando na alma um sentimento de dor.

P:Era rosa? R: Não, esqueça essa ideia leitor/a.
P:Era cravo? R: Não, apesar de cravante dispor.
P:Era amor-perfeito? R: Há algum perfeito amor?
P:Revela o seu nome? R: Não, e não é natural de expor!

Posso revelar que era um ser como outros
Ardente devido a agentes infiltrados loucos
De seus poderes deveras grandiosos mas poucos
Influenciável pelos odores do omnipresente possuidor.

Agradeço a uma outra outra pessoa por me ter sugerido este tema! Há amizades que importam e não são esquecidas!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O novo olhar

     Olhava para o sol, estrela quente que procura aquecer tudo com a sua luz deveras cegante, berrante e estonteante mas também ignorante para as perguntas que lhe colocara...
     Aguardava ali, a olhar como um paspalho para um espantalho e esperava naquele comediante, invisível e visível acontecimento um raio de mudança, nem que ao tamanho de um micróbio se assemelha-se, naquele incrivelmente belo traste. Na loucura esperava qualquer coisa parecida com um futuro...
     Bem sol é desta! Vou expor à tua extremamente vaidosa entidade a parte mais odiada de quem conhece o meu eu: os meus dorsos!
     Conto que deslumbres com agrado esta gloriosa visão como no breve momento, antes da intensa cegueira, em que me contentei em observar-te!
     Fica bem e desaparece na noite, és um covarde que te escondes todos os dias nela usufruindo da desculpa da rotação da terra... Nem te desejo mal mas tens de reconhecer que apesar de estrela, TU, não és perfeito!

Agradeço a uma outra pessoa por me ter sugerido este tema! Tu fizeste-me crescer imenso como pessoa!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O Fernandinho com nome de Pessoa!

Era o famoso mestre do disfarce (?)
Um dos poucos homens que era verdade
Mostrava todas as suas pertencentes faces
Com personagens de rica personalidade:

Ricardo Reis vive na sua disciplina
Com todo e receio que ele se submete
É infeliz, não luta por felicidade
Espera-a na outra vida merecida.

Coitado nunca morrerá...


Já o Caieiro, o senhor do campo,
Era pouco instruído escolarmente
Mas cultivado pela simples natureza
Recusava qualquer complexo pensamento.

Bem, à que destacar com igualdade
O homem Álvaro vitimado pela mudança
Começou por procurar a novidade
Seguindo o louvar à máquina
E acaba no extremo íssimo cansaço.

Outros homens foram criados
Mas na sua emergente e rica mensagem 
O Fernandinho também esteve na sua forma
Apesar de ser em seu verdadeiro nome.

Como é aniversário deste senhor resolvi colocar este texto que fiz para participação no concurso Grande C.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Ser português

É pretender ser o ser que que os nossos eu's sempre sonharam
É... Descobrir o fundo roto do bolso que alguém pensa que roubou
E querer estar, aqui, alcançando o que outros dizem: é inalcançável!

Isto no meu pensar, mas geralmente:

Ser português é não querer ser
É querer ter o que nosso não é nem será
Não lutar, contentar com o que é de desagrado

E ignorar o que por nós é pensado...

terça-feira, 7 de junho de 2011

Erupção psicológica

Contagens repetidas, repentinas, instintivas, persuasivas, com paralelemias,
Cheias de estrias, azias, porcarias, irritanterias,
Com vontades de ir à mercearia, à tosquia,
Vêm apetites de maçonarias, euforias, psicologias, poligamias,
Cabeças rebentantes por causas de permaneuladia...

Palavras confusas de uma mente em estado de explosão,
Expulsão, repressão, desambiguação, confusão... sempre com a sua enormalidade!
Mostrando opinião, profissão, habitualidades, individualidades e merdibilidades!

Perdi um dicionário para mostrar o meu pensar portanto algumas palavras ainda estão por inventar.

domingo, 5 de junho de 2011

A vida e a routina são gémeas siamesas!

Sempre assim: conhece-se gente, desiludem-se pessoas, recorrem outras em estado urgente, e... é isto!
Amizades para sempre como nos filmes? Não existem!
Há sempre uma altura que desiludem; é normal faz parte da rotina!
As pessoas fazem sempre erros que se arrependem, é normal faz parte da rotina!
Renovar as antigas amizades? É mesmo pena não fazer parte da rotina...

Defeito meu? Sim claro mas também da rotina...