quarta-feira, 15 de junho de 2011

O novo olhar

     Olhava para o sol, estrela quente que procura aquecer tudo com a sua luz deveras cegante, berrante e estonteante mas também ignorante para as perguntas que lhe colocara...
     Aguardava ali, a olhar como um paspalho para um espantalho e esperava naquele comediante, invisível e visível acontecimento um raio de mudança, nem que ao tamanho de um micróbio se assemelha-se, naquele incrivelmente belo traste. Na loucura esperava qualquer coisa parecida com um futuro...
     Bem sol é desta! Vou expor à tua extremamente vaidosa entidade a parte mais odiada de quem conhece o meu eu: os meus dorsos!
     Conto que deslumbres com agrado esta gloriosa visão como no breve momento, antes da intensa cegueira, em que me contentei em observar-te!
     Fica bem e desaparece na noite, és um covarde que te escondes todos os dias nela usufruindo da desculpa da rotação da terra... Nem te desejo mal mas tens de reconhecer que apesar de estrela, TU, não és perfeito!

Agradeço a uma outra pessoa por me ter sugerido este tema! Tu fizeste-me crescer imenso como pessoa!

1 comentário:

Nami Nakazono disse...

continuo a achar imensa piada a este texto.
Sim, este sol tem mesmo MUITO que penar para ser perfeito.. Mas mesmo MUITO! XDDD