segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

As vezes o nada cansa

Na habitual sala dos pacientes
De impaciência não havia falta
Da cura, todos ali crentes
Desejosos da fuga para realidade.

Ridículo estrondoso nada
Quem gosta de te fazer?

Sem comentários: