quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Sexo

Quando nos une
Pode ser fabuloso,
Separando na tragédia
Igualmente; desastroso...

Prazeroso, excitante e sincero
Reflexo exagerado de tudo o já sabido?
Ou divertida e frustrante mentira
Que sonhamos nunca ter vivido?

Nos lençóis o enlace ocorre
Por vezes exterior melhor sabe,
Para o lago as almas se olham
Esperemos que a visão mostre a realidade.

Amor num ponto surge a tua necessidade
Esperemos que ele se porte convenientemente
Bom convidado será ele?
Aguardo que não sejas aquele nada presente.

Os olhares pouco se cruzam
Mas em cada intercepção
Algo semelhante a uma bomba
Na sua primeira e última explosão.

ImpulsÃO, acelaraçÃO,
AlucinçÃO e para finalizar a árdua separaçÃO 
Os 4 ãos essenciais os denomino,
Apenas um deles nem sempre é totalmente cumprido.

Molho em seco desprezo
Honesto e misterioso louvo,
Adoro quando sentido
E de o apreciar em louco...

Nossos mundos se unem parcialmente
A grande sonoridade é ouvida,
As vezes pretendemos notavelmente
Que a vontade de repetir não seja perdida.

Um só no momento sem pensar pensamos
Por vezes ainda nos questionamos:
Em que mundo é que estamos?
No final (sem querer?) nos afastamos...

1 comentário:

Shiny disse...

Um dos meus textos favoritos...
gosto principalmente das 2 primeiras estrofes...

Continua a escrever...
As tuas receitas da mente ensinam muito..
XD

bjs